Dr. Rodrigo de Oliveira

Psiquiatria I CRM 52.0104493-1

Estimulação Magnética Transcraniana

A Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) é uma técnica utilizada no tratamento de transtornos psiquiátricos, entre eles a depressão.
A técnica consiste em estimular o cérebro com ondas magnéticas, semelhantes às utilizadas nos aparelhos de ressonância magnética.
De forma geral, essas ondas magnéticas têm a função de estimular os neurônios, aumentando a disponibilidade de neurotransmissores como a serotonina, dopamina, noradrenalina e glutamato, que são responsáveis por propagar os impulsos nervosos do cérebro e manter o bem-estar emocional.

•Depressão leve, moderada e grave;
•Depressão refratária (quando os remédios não surtiram efeito);
•Depressão recorrente (mais de um episódio depressivo);
•Depressão pós-parto;
•Depressão ansiosa;
•Intolerância aos efeitos colaterais das medicações;
•Antecipação da resposta antidepressiva;
•Transtorno bipolar (fase depressiva);
•Distimia;
•Esquizofrenia (alucinações auditivas).

Tratamento seguro, não invasivo, não requer anestesia;
Eficácia comprovada por meio de estudos científicos, com taxa de resposta superior a 70%;
Poucos ou nenhum efeito colateral;
Maior rapidez na remissão dos sintomas;
Não é necessário suspender os medicamentos em uso;
Tratamento na medida certa, considerando que o tratamento é definido individualmente;
Não afeta a rotina de trabalho, estudos e vida diária.

No tratamento com EMT são indicadas, em média, 20 sessões na fase inicial.
Contudo, essa quantidade é individualizada para cada caso, após a avaliação médica. Isso se deve a vários fatores, como diagnóstico, gravidade do quadro, resistência aos tratamentos convencionais e cronicidade do transtorno.
Periodicamente, o médico responsável pelo tratamento faz a análise dos resultados.
De acordo com a remissão dos sintomas, ele define (baseado em protocolos), a cada etapa, a frequência com que as sessões serão realizadas.

Conforme exigência do Conselho Federal de Medicina (CFM), todas as sessões são realizadas por um médico.
Todos os cuidados e recomendações devem ser rigorosamente seguidos, com o objetivo de que o tratamento seja conduzido de forma segura, e o quadro do paciente evolua conforme o esperado para cada protocolo aplicado.
Durante a aplicação da EMT, o paciente fica acordado, sentado confortavelmente em uma poltrona.
Terminada a sessão, que dura em média 20 minutos, o paciente está liberado para voltar à sua rotina normal.
As primeiras sessões devem ser realizadas diariamente, de segunda a sexta-feira, com intervalo no final de semana.

O procedimento de EMT é realizado no próprio consultório médico, que deve possuir toda a estrutura exigida pelo CFM.
Atualmente, mais de três mil equipamentos de EMT são utilizados em todo o mundo para diagnóstico, pesquisas e tratamentos. No Brasil, mais de 100 clínicas já oferecem este tratamento, muitas delas focadas na melhoria dos quadros psiquiátricos.

A segurança e eficácia da EMT foram reconhecidas no Canadá em 2002, e nos Estados Unidos em 2008.
O CFM reconheceu a EMT como tratamento em maio de 2012.
A Resolução CFM nº 1986, de 2012, caracteriza a EMT como ato médico, e reconhece sua segurança e eficácia no tratamento da depressão unipolar e bipolar, além da esquizofrenia (nas alucinações auditivas).
Estudos de renomadas universidades, dentre elas a Harvard University, mostraram que a EMT apresenta grau de evidência A (o mais elevado) para o tratamento do transtorno depressivo refratário ao uso de medicações antidepressivas.

Em 1992, a EMT começou a ser aplicada na psiquiatria, na Grã- Bretanha e Estados Unidos, com resultados promissores no tratamento da depressão, esquizofrenia e outras doenças.
Em 1998, foram iniciadas as primeiras pesquisas sobre EMT no Brasil.

O equipamento que faz a EMT é um estimulador que gera ondas magnéticas, com o objetivo de restabelecer o funcionamento normal do cérebro. O aparelho tem registro na ANVISA desde março de 2007 (registro número: 80342230003).

Em dezembro de 2012, a Câmara Técnica Permanente da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM), na Resolução AMB Nº 13, aprovou o reembolso, a ser realizado pelos planos de saúde aos pacientes, das despesas do tratamento com EMT.

Qualificação Profissional

Em Itaperuna e região, o procedimento é realizado exclusivamente pelo Dr. Rodrigo de Oliveira, médico qualificado pelo Instituto de Psiquiatria do HC-FMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP), onde acompanhou o serviço mais movimentado de EMT no país, familiarizando-se com os diferentes protocolos utilizados.